quarta-feira, 29 de junho de 2016

SIC e TVI discordam de solução encontrada para a TDT

28 Jun 2016|22h20|Fonte: Jornal de Negócios


A SIC e a TVI tomaram conhecimento da posição que consta do projecto de lei para a Televisão Digital Terrestre (TDT) "e vêm manifestar a sua discordância relativamente à solução encontrada, capaz de introduzir elementos de distorção a um mercado que enfrenta, já por si, uma difícil conjuntura", sublinham as duas estações num comunicado conjunto.

"Permitir a introdução de mais minutos de publicidade nos operadores da RTP prejudica os actuais operadores de televisão e, num efeito dominó, outros meios como a rádio e a imprensa, numa altura em que se enfrenta uma feroz concorrência na captação de receitas publicitárias de gigantes internacionais", destaca o comunicado conjunto.

E prossegue: "A inserção de mais dois canais da RTP na TDT afectará também as receitas da televisão pública, já que a solução defendida para a TDT implicará certamente uma renegociação dos contratos da RTP com os operadores de distribuição e, consequentemente, uma perda de receitas através dessa via, além dos elevados custos com a distribuição na TDT de dois novos serviços de programas públicos".

Na opinião dos operadores privados, "é por isso fundamental a promoção, com carácter prévio, de um estudo económico-financeiro detalhado sobre os custos associados a cada uma das opções técnicas de desenvolvimento da plataforma TDT", realçam.

"Nos últimos anos, a operação TDT tem sofrido diversas alterações de natureza técnica que resultaram num claro prejuízo para as populações e para os operadores televisivos FTA. É preciso mostrar ao mercado toda a informação detalhada da população efectivamente coberta por TDT, bem como a quantificação dos custos incorridos pelos utilizadores do serviço TDT em virtude das sucessivas alterações das condições associadas, e efectuar uma análise da possibilidade de apoio financeiro às populações pelos custos incorridos na adaptação dos equipamentos às também sucessivas alterações da rede TDT", diz o documento.

"A SIC e a TVI acreditam, como têm vindo a reiterar, que o futuro da TDT passa pelo desenvolvimento de canais em alta definição (high definition - HD), um passo fundamental para o desenvolvimento da experiência de ver televisão", refere ainda o comunicado, citando um estudo recente feito em Portugal que mostra que, num universo de 6 milhões e 850 mil televisores vendidos em Portugal nos últimos 10 anos, 96% emitem em HD e apenas 4% operam exclusivamente na antiga standard definition (SD). "São números que mostram a opção que os portugueses têm feito pela alta definição e a valorização dos conteúdos nesse formato", defendem as duas estações.

"A SIC e a TVI desejariam mais uma vez inovar, pretendendo emitir toda a sua programação em HD no mais curto espaço de tempo possível", sublinham. No entanto, acrescenta o comunicado, "as decisões que se anunciam em matéria de TDT comprometerão essa intenção".

A SIC e a TVI repudiam, portanto, quaisquer eventuais opções de políticas públicas para o desenvolvimento da TDT que possam agravar o já difícil quadro económico que caracteriza o sector dos media em Portugal, designadamente o sector televisivo generalista de âmbito nacional, já em si pressionado pela estagnação do investimento publicitário nacional, por um lado, e pelo incremento da concorrência televisiva internacional, destaca o documento.

Por isso, conclui o documento, "a SIC e a TVI manifestam a sua profunda preocupação relativamente às opções políticas previstas ao abrigo do referido projecto de lei e reservam-se o direito de accionar os meios legais ao seu dispor para satisfazer as suas legítimas expectativas".


Governo aprova mais quatro canais na TDT, dois da RTP sem publicidade

O Conselho de Ministros aprovou hoje (23 de junho) o alargamento da oferta de TDT, que prevê dois canais da RTP sem publicidade e outros dois reservados para os privados, sendo que para estes últimos será lançado concurso. "Incluem-se, aqui, dois canais do operador de serviço público, sem publicidade, reservando-se a capacidade necessária para a atribuição de licença a dois canais de operadores privados, possibilitando o alargamento da oferta de conteúdos na televisão digital terrestre [TDT] para nove canais em formato SD [definição 'standard']", refere o comunicado do Conselho de Ministros. 

ALU // CSJ

IN: Correio da Manhã / Lusa

Ler mais em: http://www.cmjornal.xl.pt/cm_ao_minuto/detalhe/governo_aprova_mais_quatro_canais_na_tdt_dois_da_rtp_sem_publicidade.html

TDT vai ter mais duas estações privadas

TDT vai ter mais duas estações privadas 
Governo quer novos canais da RTP na TDT de imediato.

Por: Duarte Faria 

Mais dois canais públicos e, numa segunda fase, dois novos canais privados. Este é o projeto que o Governo pretende levar a cabo, com o apoio do Parlamento, para o alargamento da oferta da Televisão Digital Terrestre (TDT). O anúncio foi feito ontem pelo ministro da Cultura, Luís Castro Mendes, durante uma audição parlamentar. No total, serão mais quatro canais para a TDT, que atualmente disponibiliza em sinal aberto a RTP 1, RTP 2, SIC, TVI e canal Parlamento (ARTV). A entrada dos dois canais públicos (RTP 3 e RTP Memória) na oferta da TDT deverá ser feita de forma administrativa com a aprovação, nos próximos meses, de um projeto de lei conjunto do PS, BE, PCP e PAN. Uma iniciativa que conta com o apoio da Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) e a oposição da Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom), que defende a abertura de um concurso público. Já o alargamento a dois canais privados – que poderá fazer calar as críticas da SIC e da TVI, que sempre defenderam igualdade no direito de acesso ao espaço ainda disponível – poderá obrigar à abertura de um novo ‘mux’, já que, de acordo com a Anacom, o espetro disponível na atual rede apenas permite mais dois canais em definição standard (ou um em alta definição). Para isso é preciso lançar um concurso público a fim de encontrar quem invista vários milhões de euros na criação de um ‘mux b’, processo que demorará, pelo menos, um ano.

IN: Correio da Manhã

Ler mais em: http://www.cmjornal.xl.pt/tv_media/detalhe/tdt_vai_ter_mais_duas_estacoes_privadas.html

quarta-feira, 30 de setembro de 2015

RTP 3 estreia a 5 de outubro mas... só no cabo! A TDT continua sem esperança de dias melhores



Estreia à meia-noite do próximo dia 5 de outubro, o terceiro canal da RTP.
A Rádio e Televisão de Portugal (re)coloca no ar aquele que já foi a NTV, depois a RTP-N, até agora a RTP informação e dentro de alguns dias volta a mudar de cara e de nome, passando a designar-se de RTP 3.
O que preocupa o TDT no Alentejo são as contradições com a ida deste canal para a Televisão Digital Terrestre, ou a falta dela. Ontem, 29 de setembro, numa reportagem jornalística emitida no fim da segunda parte do telejornal da RTP1, era dito que se pretendia que o canal passasse para a TDT assim que possível. Em declarações transcritas no Diário de Notícias de hoje, 30 de setembro, Gonçalo Reis, presidente da RTP, disse o seguinte: “Este será um canal de cabo para concorrer com os restantes canais de notícias”, fechando a porta à integração de mais canais RTP na TDT. “É um canal temático que está no cabo, os canais em aberto são o 1 e o 2. É o quadro que temos” sublinhou o presidente da RTP.
Posto isto, que esperança pode o povo português ter na ida da RTP3 para a TDT, quando a própria administração da estação pública, de todos os portugueses, não demonstra interesse em que tal aconteça?

O mais grave disto tudo é que os portugueses, pelo menos os que têm contrato de eletricidade em seu nome, a pagar todos os meses uma tal taxa de audiovisual para financiar o serviço público dos nossos próprios bolsos e depois somos privados de aceder ao conteúdo total da RTP. Se quisermos ver a “nova” RTP3 teremos que pagar por um serviço de TV paga. Acontece a mesma coisa para termos acesso às emissões da RTP-Memória, RTP-África, Açores e Madeira.

Com que legitimidade nos cobram duas vezes para assistir-mos às emissões da RTP? Se já financiamos o serviço público uma vez, teríamos no mínimo direito de acesso em canal aberto, para além da RTP1 e RTP2, à futura RTP3, ao arquivo da estação pública, memória coletiva de todos, designada RTP-Memória e, sendo mais sonhador, termos ainda o acesso à RTP-Açores, Madeira e África. Já a Internacional é discutível, pois trata-se quase na totalidade de uma mistura de programas dos outros canais do universo RTP.

E o zé povinho come, cala-se e paga a dobrar se quiser, senão contente-se com a 1, a 2 e as duas generalistas privadas mais uma tal de “ARTV” que emite quando lhe apetece!
Nas rádios públicas, pelo menos o cenário é ligeiramente diferente. Pelo menos as três antenas de âmbito nacional estão a emitir em todo o território, com diversidade e abrangentes a vários públicos diferenciados.

O Sr. Ministro Miguel Poiares Maduro, que tanto prometeu mudar o rumo da história da TDT, limitou-se à demagogia pura e dura. Se teve tais intenções, na prática não passaram disso mesmo, intenções! Temos a TDT mais pobre da Europa e uma das mais miseráveis do mundo. O Multiplexer A continua a “oferecer” apenas aquilo que já tínhamos no serviço de TV analógico. O canal HD continua a preto, sem que os operadores tenham chegado a acordo, continua sem sinal de vida. Os restantes multiplexers, nem em sonhos se vislumbram… O sinal que chega a cas das pessoas é miserável. A aposta errada numa rede SFN (rede de frequência única) está à vista. Para remediar a coisa, e bem, foram licenciados em MFN (rede de multi frequência) os antigos emissores analógicos, agora em digital, em algumas zonas do país, o que deveria ter sido feito desde o início tal como aconteceu em Espanha. No caso do Alentejo, o Mendro e São Mamede não chegam. É urgente colocar no ar o canal 43 UHF da Fóia, como previsto na nova rede MFN de SFN para melhor cobrir o sul do Baixo Alentejo e norte do Algarve. Apesar das minhas tentativas junto da ANACOM, a resposta é igual a zero!

Em Espanha, além de uma rede de emissores de MFN em todo o país, de grande potência, existe diversidade de canais. Todos os canais do grupo RTVE estão lá, vejamos: TVE1, TVE2, Canal Clã, infantil, Canal 24 horas, informativo, Canal TDP, de desporto, para além dos outros trinta e tal canais privados de âmbito nacional, regional e local, dedicados à informação, cultura, cinema, desporto, infantis, séries, para não falar da Alta Definição em quase todos eles e na emissão no formato 16:9.
Em Portugal resta esperar para ver, mas com muita utopia e o esperar sentado.
Ficam imagens de canais públicos espanhóis em aberto na TDT vizinha:

TVE1 - HD - Alta definição

TVE 2

TVE 24 Horas - Canal informativo

Clã TVE - Canal infantil

TDP HD - Teledeporte - Canal Desportivo - Alta Definição

Não é à toa que mais de 80% dos portugueses tem TV paga. Há outra hipótese? Não, não há! Queres ver, paga! Senão apanha com telelixo em canal aberto! Sorte de quem apanha os espanhóis em canal aberto. Azar dos portugueses que não podem pagar NOS, MEO, Cabovisão ou Vodafone.

Há muito caminho a percorrer, mas enquanto a TDT estiver nas mãos de um operador que detém serviços pagos no mercado, nada haverá a fazer. Somos os piores da Europa no conteúdo e na rede de emissão.


Enquanto esperamos que algo mude, se mudar, exige-se no mínimo os canais públicos, que pagamos a dobrar, na rede aberta da Televisão Digital Terrestre.

sexta-feira, 25 de setembro de 2015

Recebe o sinal do emissor do Mendro?

Passado um ano da entrada em funcionamento do Centro Emissor do Mendro, o TDT no Alentejo volta a questionar os leitores acerca da receção do sinal deste emissor.
Assim, sugerimos que nos comentários nos indiquem se rececionam o sinal deste emissor no canal 40 UHF, em que localidade recebem e em que condições. Obrigado pela vossa colaboração.

Eleições: Comissão de Trabalhadores da RTP defende que TDT coloca o pluralismo em causa

O atual formato da televisão digital terrestre (TDT) leva a um "défice de informação" sobre as eleições legislativas, diz a Comissão de Trabalhadores da RTP.

A Comissão de Trabalhadores da RTP considera que o atual formato da televisão digital terrestre (TDT) leva a um "défice de informação" sobre as eleições legislativas e "coloca em causa o pluralismo" alargado que caracteriza o serviço público.Atualmente, quatro canais - RTP1, RTP2, SIC e TVI - emitem em sinal aberto (gratuito) na TDT.
"Com o atual formato de TDT, os portugueses apenas tiveram acesso ao frente a frente entre os líderes do PS [António Costa] e da PàF [coligação Portugal à Frente, do PSD/CDS-PP] e às peças de reportagem que são emitidas no Jornal da Tarde e no Telejornal, o que resulta num défice de informação e coloca em causa o pluralismo o mais alargado possível que deve caracterizar o serviço público de rádio e televisão", refere a Comissão de Trabalhadores da RTP, em comunicado.
"Se a RTP Informação estivesse disponível na TDT esse pluralismo estaria mais salvaguardado com a transmissão de alguns dos debates que envolvem outros líderes políticos e os portugueses conheceriam outras propostas para poderem formar uma opinião mais consistente", adianta o órgão representante dos trabalhadores da RTP.
"Desde já pode dizer-se que o atual subaproveitamento da TDT faz com que a democracia fique a perder. Ganham os lobbies que se alimentam da atual situação: quem quer mais informação, paga!", aponta.
"Considera a CT que a importância desta questão, para a democracia e para a informação que chega aos portugueses, devia merecer uma resposta/proposta concreta das várias forças políticas que participam nas próximas eleições legislativas", acrescenta o órgão, recordando que há muito que defende a necessidade de colocar todos os canais da RTP na TDT.
"O sistema tem essa capacidade e a situação apenas não é alterada por falta de vontade política e porque certamente o atual 'status quo' agrada a quem projetou e concretizou o negócio com as suas atuais definições", disse.
Fonte: http://mag.sapo.pt/tv/atualidade-tv/artigos/eleicoes-comissao-de-trabalhadores-da-rtp-defende-que-tdf-coloca-o-pluralismo-em-causa

TVI passa transmitir integralmente em formato 16:9 em Outubro

Depois da estação de Carnaxide (SIC) anunciar que irá passa a emitir integralmente no formato panorâmico a partir do próximo dia 4 de outubro, o canal de Queluz de Baixo (TVI) anunciou que irá migrar as suas emissões para o formato antes dessa data.
“Todos os canais da TVI vão passar a ser emitidos em 16:9 já no início de outubro, antes das eleições legislativas”, assegurou Luís Cunha Velho ao Diário de Notícias numa altura em que se pensava que a TVI seria o último canal a adoptar o formato.

Recorde-se que a RTP passou a emitir em formato panorâmico 16:9 a 13 de julho deste ano, e que a SIC anunciou na semana passada a passagem das suas emissões para 16:9 para 4 de outubro próximo.

Fonte: NovidadesTV.com / Diário de Notícias

SIC passa transmitir integralmente em formato 16:9 em Outubro

O canal de Carnaxide no próximo dia 4 de outubro, dia de eleições legislativas, vai transmitir toda a sua programação no formato panorâmico 16:9.
sic_620

Luís Marques, administrador editorial da Impresa, revelou ao Diário de Notícias que “Vamos alterar o nosso formato nos primeiros dias do próximo mês e passar a transmitir integralmente em 16:9. Vamos fazer testes ao longo de todo o dia 3 e, a 4 de outubro, todos os programas da SIC serão emitidos em formato panorâmico”, tendo já iniciado testes de transmissão neste formato com a novela «Coração d’Ouro» que se estreou esta semana.
A SIC torna-se, assim, no segundo canal em sinal aberto a ter toda a sua emissão em formato panorâmico 16:9. Recorde-se que a RTP foi a primeira estação nacional a emitir neste formato, a 13 de julho passado.

Fonte: NovidadesTV.com / DN

terça-feira, 6 de janeiro de 2015

RTP quer colocar RTP Informação e RTP Memória na TDT

TDT-PT_2014_OK_logo_destak_300x216
O grupo RTP quer colocar os seus canais temáticos RTP Informação e RTP Memória na Televisão Digital Terrestre (TDT).
Os canais estão atualmente disponíveis apenas nos serviços de televisão paga, mas a RTP quer que estes canais comecem a ser emitidos em sinal aberto através da TDT, a fim de chegar a toda a população e de prestar um melhor e mais completo serviço público.

A intenção de colocar estes canais na TDT não é nova, em 2013 a administração da RTP já tinha manifestado interesse que os canais passassem em sinal aberto.
A informação consta também no Projeto Estratégico da empresa pública, que foi chumbado pelo Conselho Geral Independente (CGI). “Em termos de canais temáticos estes estarão disponíveis para emissão em sinal aberto, no momento em que tal seja possível, pois há condicionalismos tecnológicos (TDT) e de modelo de receitas, que não estão ultrapassados”, refere o documento.
Em relação às questões tecnológicas, espera-se que em breve o Governo anuncie o plano para o alargamento da oferta da TDT, defendido publicamente pelo ministro Poiares Maduro. Financeiramente, a inclusão destes canais na TDT pode ter custos na ordem dos 12 milhões de euros por ano para a RTP.

Fonte: NovidadesTV.com / Correio da Manhã